Como saber se preciso declarar o Imposto de Renda pela primeira vez em 2021?

Você acha que precisa declarar o imposto de renda pela primeira vez em 2021, mas está na dúvida? Então confira com essas perguntas simples se está obrigado a entregar a declaração anual do IRPF 2021 na Receita Federal do Brasil.

Se nunca preencheu uma declaração, mas responder sim a apenas uma dessas perguntas, já pode se preparar e declarar o imposto de renda pela primeira vez em 2021:

  • Você ganhou durante 2020 mais de R$ 28.559,70 de ‘rendimentos tributáveis’?
  • Tem ou teve até 31 de dezembro de 2020 propriedades com valor superior a R$ 300 mil?
    • Essas propriedades são os bens como imóveis, veículos, joias, ações, partes de empresas…
  • Ganhou algum dinheiro durante 2020 com a venda de imóveis, veículos ou outros bens tributáveis?
  • Recebeu mais de R$ 142.798,50 com atividade rural em 2020?
  • Você recebeu mais de R$ 40 mil em rendimentos isentos e não tributáveis ou tributáveis na fonte?
  • Recebeu auxílio emergencial em 2020 e ganhou mais de R$ 22.847,76 até 31 de dezembro de 2020?

Se você respondeu sim a qualquer uma das perguntas, tem que fazer sua declaração anual de ajuste do Imposto de Renda Pessoa Física de 2021, ou aparecer como dependente na declaração de outra pessoa.

De modo geral, quem ganha até R$1.999,18 por mês e não tem rendas extras está isento e não precisa entregar a declaração do imposto de renda 2021.

O que pode dar ruim se eu não declarar o Imposto de Renda pela primeira vez?

Se você verificou que precisa entregar sua declaração do imposto de renda pela primeira vez em 2021, e deixar de declarar até o prazo, é certeza que terá problemas com a Receita Federal. Seu CPF é marcado como irregular imediatamente e isso complica muito sua vida até você conseguir regularizar.

Depois, mesmo que entregue, você terá que pagar multa de R$ 165,74 para quem não tinha imposto a pagar, ou de 1% do imposto devido.

E essa multa vai aumentando quanto mais tempo você demorar para regularizar a declaração, podendo chegar a 20% do IR.